sexta-feira, 29 de junho de 2012

Sim, desde que eu te vi eu te quis.

Foi há 1756 dias atrás (e olhando assim, foi a tempo pra caramba) que eu a vi pela primeira vez. Era 1:55 da tarde e eu sei disso graças ao twitter, porque tão logo ela entrou na lan house onde eu trabalhava na época, acompanhada de uma amiga, eu automagicamente me interessei.
É, eu sei, a história é velha e eu provavelmente já repeti ela muitas vezes para cada um de vocês, ou talvez essa seja a primeira vez que você tem a oportunidade de conhecer como eu conheci a mulher da minha vida.

Funciona assim... Você está lá, pensando se algum dia vai encontrar alguém que vai tapar o rombo no seu peito, ocasionado pela dor de estar sozinho. Surge um monte de gente, mas algumas vezes o coração não entende o que o cérebro insiste em informar pra ele. Daí, mesmo que as pessoas mais incrivelmente perfeitas apareçam, não adianta insistir. E então, de repente, um dia você cruza com alguém, assim, do nada e... PUTA QUE PARIU, É DISSO QUE EU ESTAVA FALANDO.




Conhecer a Fran foi uma das melhores coisas que aconteceram na minha vida. Primeiro porque, como eu disse no parágrafo anterior, assim que a vi eu tive A Certeza, mas como não a conhecia (e como eu sou tímido pra caramba, apesar das evidências provarem o contrário) tinha ficado na minha, desfrutando aquele romance de mão única. Eu passei a chegar mais cedo no trabalho só para poder observar ela ir embora (o horário do almoço dela, que era quando ela ia à lan house, terminava justamente na minha hora de entrar no trabalho), ficava horas pensando em como seria se com ela fosse, imaginava músicas que escutaríamos juntos, filmes que veríamos, lugares que conheceríamos, mas estava certo que nunca ia chegar.

Essa foto foi roubada do falecido Orkut da Fran e SIM, EU ME APAIXONEI POR ELA STALKEANDO!
A Fran pode dizer melhor do que eu sobre isso, mas eu tremia toda vez que ia atendê-la. Ficava bolando planos e ouvindo isso aqui, ó:


Então, num belo dia de verão, um grande amigo me disse que "se ela comprar um computador e nunca mais for aí, você se foderá bastante". Aí eu convidei ela pra sair pra tomar um sorvete, mas não tinha sorvete e então a gente acabou conversando um tempão sobre tanta coisa diferente e eu corri até o McDonald's pra cumprir minha promessa. Ela teve o sorvete dela, eu tive uma nova oportunidade de ser feliz.

Nossas primeiras fotos juntos. Era pra sempre! <3

Uma semana e pouquinho depois a gente estava namorando. E de lá pra cá, quatro anos se passaram. Eu já escrevi muito sobre nossa relação por aqui, como por exemplo neste texto aqui, antes do dia em que eu criei coragem pra chegar nela, ou nesse aqui de pouco antes da nossa primeira saída juntos, ou esse na época do nosso primeiro dia dos namorados, ou esse aqui quando ela resolveu que podia me deixar sozinho por um mês só pra ir matar a saudade da mãe dela e aí teve também esse aqui, quando eu achei que sabia escrever música e fiz uma balada para ela sobre a saudade de estar longe há tanto tempo, e aí, pouco tempo depois teve esse aqui sobre quando a gente só se via uma vez por semana, e esse aqui quando ela decidiu que era uma ótima fotógrafa e excelente photoshoper, e esse aqui, quando eu relembrei o dia em que a gente foi assistir Toy Story 3, há 2 anos...

Nosso primeiro aniversário de namoro. Eu invadi a casa dela (escondido, obviamente) e coloquei o vestido em cima da cama dela, só porque ela reclamou que não tinha nada para usar.

...e esse aqui, sobre o dia de hoje, aniversário dessa pessoa tão incrível, que mereça toda e qualquer rosa que o dinheiro possa comprar. A flor mais bela da roseira mais esteticamente esbelta... Essa que é o ponto final de cada um dos meus dias, minha razão de seguir, meu objetivo, minha personagem preferida no mundo dos sonhos... meu tudo.

Obrigado por existir, sempre.
O aniversário é seu mas quem ganha o presente, hoje, e todo dia, sou eu.

Te amo, Fran.