terça-feira, 8 de março de 2011

A audição pode alterar a visão?

Seus lindos, eu sei que estou deveras atrasado com meus posts, e estou devendo um inteiro sobre o ato de mudar, não é? Bem... Prometo que ainda lerão isto por aqui, mas vai ficar para depois, hoje o assunto não tem muito a ver com a mudança pessoal, mas tem a ver com a mudança de alguns paradigmas... ou será que estou enganado?


Tava aqui refletindo sobre como as trilhas sonoras estão passando por uma mudança brusca. Hoje temos vários artistas independentes criando para produções cinematográficas orçadas em centenas de milhões de dinheiros, ou as vezes artistas conhecidos, mas que não fazem o perfil dessas produções.




Veja por exemplo A Rede Social, que teve Trent Reznor (do Nine Inch Nails) levando o Oscar pelo seu trabalho na trilha. Daft Punk criou para Tron, ainda não ouvi, mas dizem que é ótima. E deve ser mesmo, não fosse isso, não estaria sendo lançada em breve uma versão remix do álbum. Beck trabalhou em Scott Pilgrim, o Eels fez a trilha do ótimo Sim Senhor, Sondre Lerche fez a do (também ótimo) Eu, Meu Irmão e Nossa Namorada...

Enfim, refleti sobre tudo isso pra dizer que o Chemical Brothers está fazendo um trabalho maneiríssimo na trilha de Hanna, novo filme de Joe Wright (o mesmo diretor de Orgulho e Preconceito e Desejo e Reparação). O filme conta a história de acontece um monte de coisas e nada do que eu disser aqui importa só a próxima linha uma menina de 16 anos que mata um monte de gente tipo em Kick Ass, mas aqui, tipo de verdade mesmo. A música que você confere agora, é a primeira faixa completa liberada pela produção do filme.


Container Park by The Chemical Brothers by Hannamovie

O curioso é que nessa divagação, acabei percebendo que mesmo os grandes compositores estão mudando seu posicionamento, e para um exemplo bem prático basta escutar as duas últimas (e se eu usar a palavra ótimo mais uma vez depois dessa, podem me ofender, ok?) trilhas dos filmes de Christopher Nolan, compostas pelo Hans Zimmer (me refiro a Batman - O Cavaleiro das Trevas e A Origem).

Sempre escutei que nosso ouvido se educa com o tempo, por isso, quando criança curtimos coisas tipo Xuxa, Sandy & Junior (meu ouvido é retardado, leave me alone...) entre outras coisas piores tipo Mara Maravilha, Paquitas, Simony, Molejo. Será um sinal de que o ouvido do cinema (ou do espectador?) está se educando? Parece uma boa coisa, não?!