quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

De Volta Para o Presente

Brasília, domingo, 24 de dezembro de 2006 


Será mais um recomeço? 

Acredito que não! Esse é o começo. O novo começo. 
Para isso servem as horas, os dias, os meses e os anos. 
O que você não fez a um momento atrás, pode corrigir agora. Pode realizar agora. 
E quando você erra? Bem... Vai sempre haver um final de ano novo para que você deixe os erros para trás e comece do zero, acertando. 
A passagem de ano, passa então a ser apenas um mero simbolismo? 
Não! 
Se você acredita que as coisas realmente podem mudar, que o que havia de podre, ruim, vencido ou mofado dentro de você realmente ficou pra trás, isso se tonará um fato. 

"Você é a mudança que deseja para o mundo." 

Mudar é complicado e as vezes sofrido, mas é recompensante. 
Pense nas atitudes positivas que deseja realizar e confie no seu instinto. 
Satisfaça-se. 
Lembre porém das palavras, ações e talvez pessoas ou lembranças que quer ou que tem de deixar pra trás. 
Nós não somos como uma enorme bolsa sem fundo. As vezes, carregar memórias demais torna-se cansativo e cansados não seguimos adiante. 

Porém, não deixe nunca os momentos verdadeiramente felizes para trás. 
Eles são o mapa da mina dos sorrisos e provavelmente o que ainda vai te salvar de se perder na solidão. 

Reavalie suas prioridades, corrija seus erros. 
E no momento da virada, comece do zero uma nova vida. 
Nada de "recomeçar". 
É apenas começar. Começar. 

Feliz Natal! E boas energias pra 2007.



E esse era o texto de (re)abertura de um dos meus primeiros (e mais querido) blogs. No fim do ano de 2006, começo de 2007...

De lá pra cá eu engordei uns bons vinte quilos, arumei uma namorada incrível, vi mais de cem filmes, li mais de quarenta livros, me deliciei com algo por volta de seiscentos episódios de séries, co-roterizei e co-dirigi um videoclipe, tive um podcast, tive a ideia que vai revolucionar a internet, entrei na faculdade, troquei de emprego, mudei de quarto, pintei paredes, comecei a utilizar redes sociais, vi o fim de Lost, arrumei (em parceria com vários primos) uma maneira de reunir a família, fiz vários novos bons amigos, lutei para manter os velhos amigos, perdi gente querida, e acima de tudo, fui me modificando, me edificando... Perdendo e encontrando a fé inúmeras vezes.

Esse sou eu, de um jeito diferente do que era, de um jeito mais irritante, mais cético, menos otimista, mais falante, mais cheio de mania do que de princípios, e no entanto, ainda sou o eu sonhador.

Esse era para ser um texto sobre o que eu espero de 2011 e como foi 2010. De certa forma, acabou sendo, mesmo que eu tenha fugido completamente do mote do texto.

Então, façamos o seguinte...

Que em 2011, eu registre mais os pensamentos e viva mais coisas emocionantes para virarem palavras por aqui.
Que em 2011 eu supere os meus limites.

Fica o convite para fazer o mesmo.

A todos, um feliz ano novo.

Força e Fé.